sexta-feira, 30 de agosto de 2013

9ª Seprodur: início nesta segunda-feira

Evento de extensão, que oferece 55 cursos, se estende até 06/09 na UENF
O prof. Fábio da Costa Henry coordena o curso "Fabricação de presuntos e linguiças"
O prof. Fábio da Costa Henry coordena o curso“Fabricação de presuntos e linguiças”
Começa nesta segunda-feira, 02/09, às 9h,  a 9ª Semana do Produtor Rural da UENF (Seprodur) — um dos maiores eventos de extensão universitária da região. De 02 a 06/09, professores, alunos e técnicos da UENF vão ministrar um total de 55 cursos voltados para os produtores rurais, sobre os mais diversos temas.
A cerimônia de abertura terá início às 9h de segunda-feira, 02/09, no auditório do prédio P4, com a presença do reitor da UENF, Silvério de Paiva Freitas; do pró-reitor de Extensão e Assuntos Comunitários, Paulo Nagipe; do diretor do Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias (CCTA) da UENF, Henrique Duarte Vieira; e do coordenador de Extensão do CCTA, Humberto Castillo Estrada.
— Não são só os produtores rurais que se beneficiam deste evento. Este contato é também importante para a equipe da UENF. Destes encontros, muitas vezes surgem questões que acabam virando tema de futuras pesquisas, ou até mesmo de novos cursos — disse o reitor da UENF, Silvério de Paiva Freitas, que, como professor do Laboratório de Fitotecnia (LFIT) da UENF, também está coordenando um dos cursos: “Atualização em plantas medicinais”, a ser ministrado na sexta-feira, 06/09, de 8h às 18h.
Alguns dos cursos oferecidos são inéditos, como “Criação de mexilhões e ostras”, que será ministrado na terça-feira, 03/09, das 14h às 18h, pelo doutorando em Ciência Animal da UENF André Batista, professor do IFES -  Campus Piúma.  Mestre em Recursos Pesqueiros e Aquicultura, André conta que o curso surgiu a partir do interesse demonstrado por comunidades pesqueiras de Búzios. Segundo ele, qualquer área litorânea protegida da ação de ondas é propícia para a criação de mexilhões e ostras.
Curso vai mostrar técnicas para criação de mexilhões
Curso vai mostrar técnicas para criação de mexilhões
— Vamos mostrar que as técnicas são simples e o investimento necessário é muito baixo. No entanto, o mercado consumidor é muito bom, pois são produtos que podem ser vendidos a um preço elevado — diz André, que é orientado pelo professor Manuel Vazquez, do Laboratório de Zootecnia e Nutrição Animal (LZNA) da UENF.
Outro curso inédito é “Sistema de produção de açaí”, que será ministrado na sexta-feira, 06/09, das 8h às 12h, por professores e pesquisadores do LFIT/UENF — Almy Junior, Aurilena de Aviz Silva e Mírian Peixoto. O curso vai abordar os aspectos gerais da cultura do açaizeiro, assim como sua importância econômica, mercado e comercialização, ambiente edafoclimático, métodos de controle, colheita e pós-colheita. Segundo Aurilena, que tem experiência com esta cultura no estado do Pará, a ideia do curso surgiu a partir do interesse dos produtores locais interessados no cultivo da planta.
— Tanto os frutos quanto o palmito podem ser comercializados, sendo uma alternativa para agricultores familiares diversificarem sua produção, aumentando sua renda — afirma a pesquisadora.
No curso “Métodos de propagação de frutíferas”, a ser realizado em 04/09, de 8h às 16h, o doutorando em Produção Vegetal Marlon Altoé Biazatti vai mostrar os diversos métodos de propagação indicados para as frutíferas da região, como: uso de sementes, estaquia, enxertia e microenxertia. Também serão abordadas as vantagens e desvantagens de cada método, entre outras questões importantes.
Açaizeiro
Açaizeiro
— O sucesso do cultivo agrícola começa com a escolha de mudas de boa qualidade, e cada espécie possui um método de propagação específico — afirma, lembrando que o curso terá uma parte teórica e outra prática, a ser ministrada na Unidade de Apoio à Pesquisa (UAP) da UENF.
A 9ª Seprodur traz também cursos que podem interessar a quem não é produtor rural, como é o caso de “Fabricação de presuntos e linguiças”, que será ministrado na quinta-feira, 05/09, das 14h às 16h, pelo professor professor Fábio da Costa Henry, do Laboratório de Tecnologia de Alimentos (LTA) do CCTA/UENF. Outros cursos que também podem interessar ao grande público são: “Tecnologia de produção de iogurtes” (04/09, de 8h às 12h), “Tecnologia de produção de queijo minas, frescal e ricota” (03/09, de 8h às 12h) e “Dietas e emagrecimento” (04/09, de 14h às 17h), entre outros.
— No curso “Dietas e emagrecimento”, vamos revisar o tema com base nas novas descobertas científicas, bem como discutir o efeito das dietas no organismo. Vamos debater os mitos e os efeitos de suplementos para fins estéticos. O participante saberá o que leva um ser humano a emagrecer, e se existem de fato alimentos que engordam — explica o doutorando Luiz Fernando Miranda, do LTA.
Segundo a Coordenação de Extensão do CCTA, responsável pela Seprodur, ainda há vagas para alguns cursos, sendo possível, neste caso, efetuar a matrícula antes da aula. A taxa de inscrição, no valor simbólico de R$ 10 (dez reais), dá direito a se inscrever em até três cursos. Outras informações podem ser obtidas através do telefone (22) 2739-7192 ou do email cooexccta@uenf.br .
Confira a grade de cursos que serão oferecidos durante a 9ª Seprodur.
(uenf-ascom)

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Sim. Existe ‘controle’ da mídia no Brasil

Por Venício Lima - de Brasília -Correio do Brasil

Corrupção: diálogos interdisciplinares”, promovido pelo tradicional Centro Acadêmico Afonso Pena (CAAP), da Faculdade de Direito da Universidade
Corrupção: diálogos interdisciplinares”, promovido pelo tradicional Centro Acadêmico Afonso Pena (CAAP), da Faculdade de Direito da Universidade
Em debate sobre “A mídia e a corrupção”, realizado durante o seminário “Corrupção: diálogos interdisciplinares”, promovido pelo tradicional Centro Acadêmico Afonso Pena (CAAP), da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, na quarta-feira, respondi a uma pergunta de futura advogada preocupada em saber se as normas e princípios da Constituição de 1988 permitiam o “controle” sobre a mídia no Brasil.
Respondi de imediato: não; claro que não. As normas e princípios da Constituição de 1988 impedem claramente que haja “controle” do Estado sobre a mídia. Não há possibilidade de volta à censura estatal nem de qualquer ameaça do Estado à liberdade de expressão ou à liberdade da imprensa.
Embutido na pergunta, tudo indica, estava o conhecido mantra da grande mídia brasileira e de seus eloquentes porta-vozes que identificam qualquer manifestação sobre regulação, independentemente de sua origem, como tentativa autoritária de “controlar” a mídia por intermédio do Estado ou, em outras palavras, volta à censura estatal, atentado à liberdade de expressão e à liberdade da imprensa (tratadas, aliás, como se fossem a mesma coisa).
Resposta errada
O debate continuou, outras perguntas foram feitas e me dei conta de que havia cometido um erro grave. Minha resposta assumia como verdadeiro o falso pressuposto contido no mantra da grande mídia de que somente o Estado pode “controlar” a mídia.
Solicitei, então, ao mediador do debate que, por favor, me permitisse corrigir uma resposta incorreta.
Sim. Apesar das normas e princípios da Constituição de 1988 é possível que exista “controle” sobre a mídia. Na verdade, esse “controle” vem sendo exercido diariamente. Todavia, não pelo Estado, mas pelos oligopólios privados de mídia.
São esses oligopólios que – contrariando as normas e princípios da Constituição em vigor – “controlam” a mídia e ameaçam a liberdade de expressão e a liberdade da imprensa ao impedir o acesso das vozes da maioria da população brasileira ao espaço de debate público cuja mediação, apesar das TICs, monopolizam.
Constituição não regulamentada
Esse “controle” da mídia pelos oligopólios privados se sustenta de diferentes formas. Uma delas é o poderoso (e bem remunerado) lobby que nos últimos 25 anos tem pressionado continuamente deputados e senadores e impedido que normas e princípios da Constituição de 1988 relativas à comunicação social sejam regulamentados. Sem serem regulamentados, não são cumpridos.
É por isso que, apesar de a Constituição rezar que “os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio” (parágrafo 5º do artigo 220), apenas uns poucos grupos privados controlam os meios de comunicação diretamente ou indiretamente através de “redes” de afiliadas cuja “formação” não obedece a qualquer regulação.
É por isso que, apesar de a Constituição rezar que “os Deputados e Senadores não poderão firmar ou manter contrato com pessoa jurídica de direito público, autarquia, empresa pública, sociedade de economia mista ou empresa concessionária de serviço público, salvo quando o contrato obedecer a cláusulas uniformes” (alínea ‘a’ do inciso I do artigo 54), muitos deles mantêm vínculos com empresas privadas concessionárias do serviço público de radiodifusão, numa viciosa circularidade que inviabiliza a aprovação de projetos que regulem as normas e princípios constitucionais sobre a comunicação social no Congresso Nacional.
É por isso que, apesar de a Constituição rezar que a produção e a programação das emissoras de rádio e televisão devem atender “aos princípios de preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas; promoção da cultura nacional e regional e estímulo à produção independente que objetive sua divulgação; regionalização da produção cultural, artística e jornalística, conforme percentuais estabelecidos em lei; respeito aos valores éticos e sociais da pessoa e da família” (artigo 221), o que se escuta nas emissoras de rádio e se vê na televisão, salvo raras exceções, é exatamente o oposto.
É por isso que, apesar de a Constituição rezar que as outorgas e renovações de concessões, permissões e autorizações para o serviço público de radiodifusão sonora e de sons e imagens devem “observar o princípio da complementaridade dos sistemas privado, público e estatal” (artigo 223), a imensa maioria das concessões, permissões e autorizações de radiodifusão no país continua a ser explorada por empresas privadas.
O paradoxo do Estado financiador do “controle” privado
No Brasil, os “critérios técnicos” adotados pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom-PR) para distribuição dos recursos oficiais de publicidade se baseiam na diretriz “comercial” que considera “a audiência de cada veículo [como] o balizador de negociação e de distribuição de investimentos. A programação de recursos deve ser proporcional ao tamanho e ao perfil da audiência de cada veículo” (ver “Transparência e a desconcentração na publicidade do governo federal“).
Como já argumentei neste Observatório (ver “Publicidade oficial: Quais critérios adotar?“), o artigo 1º da Constituição de 1988 reza que um dos fundamentos da democracia brasileira é o pluralismo político (inciso V) e, logo em seguida, o artigo 5º garante que é livre a manifestação do pensamento (inciso IV). Essa garantia é confirmada no caput do artigo 220, que impede a existência de qualquer restrição à manifestação do pensamento, à expressão e à informação.
Por outro lado, o inciso I, do artigo 2º do Decreto nº 6.555/2008, que “dispõe sobre as ações de comunicação do Poder Executivo Federal”, determina que “no desenvolvimento e na execução das ações de comunicação (…), serão observadas as seguintes diretrizes, de acordo com as características de cada ação: afirmação dos valores e princípios da Constituição”.
Decorre, portanto, que a responsabilidade primeira da negociação e distribuição de qualquer investimento oficial – inclusive, por óbvio, aqueles de publicidade – deveria ser a proteção e garantia do pluralismo político e da liberdade de expressão.
Da mesma forma, considerando apenas que “a programação de recursos deve ser proporcional ao tamanho e ao perfil da audiência de cada veículo”, a Secom-PR descumpre também os princípios gerais da atividade econômica definidos no “Título VII – Da Ordem Econômica e Financeira” da Constituição.
Na verdade, contrariam-se os incisos IV (livre concorrência), VII (redução das desigualdades regionais e sociais) e IX (tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte) do artigo 170, e o parágrafo 4º (repressão ao abuso de poder econômico, com vistas à eliminação da concorrência e aumento arbitrário dos lucros) do artigo 173.
A Secom-PR – vale dizer, o Estado brasileiro –, paradoxalmente, tem sido um dos principais financiadores do “controle” que os oligopólios privados exercem sobre a mídia no Brasil.
Inversão da realidade
Ao difundir a noção de que o Estado brasileiro é o único agente capaz de exercer o “controle da mídia” e, ainda mais, ao empunhar como exclusivamente suas as bandeiras da liberdade de expressão e da liberdade da imprensa, os oligopólios privados de mídia constroem publicamente a imagem daqueles que pelejam para que mais vozes tenham acesso ao debate público como se fossem os inimigos da liberdade e pretendessem fazer exatamente o que, de fato, já é feito por eles, os oligopólios privados – isto é, o “controle” da mídia.
Com o desmesurado poder de que desfrutam, conseguem fazer prevalecer publicamente uma inversão do que de fato acontece (o processo de “inversão da realidade”, como se sabe, foi identificado, nomeado e explicado faz mais de 150 anos).
O debate na Faculdade de Direito da UFMG me ofereceu a oportunidade de argumentar, ainda uma vez mais, que, apesar das normas e princípios da Constituição de 1988, existe, sim, “controle” da mídia no Brasil. E ele tem sido exercido exatamente por aqueles que se apresentam como defensores exclusivos da liberdade de expressão e da liberdade: os oligopólios privados de mídia.
Venício A. de Lima é jornalista e sociólogo, professor titular de Ciência Política e Comunicação da UnB (aposentado), pesquisador do Centro de Estudos Republicanos Brasileiros (Cerbras) da UFMG e autor de Política de Comunicações: um Balanço dos Governos Lula (2003-2010), Editora Publisher Brasil, 2012, entre outros livros.

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

7 DE SETEMBRO COM "FORA GAROTINHO" EM CAMPOS - RJ, PROMETE "CABRUNCOS LIVRES"

O Movimento Cabruncos Livres não querem comemorar uma "independência que não existe em Campos", e por isso convocam a sociedade para mais uma manifestação popular e democrática pelas ruas da cidade.
Leia abaixo o manifesto:


 

Fora Garotinho!

O dia 7 de setembro se aproxima, mas a verdadeira independência ainda não chegou em Campos dos Goytacazes, município conhecido por sua gloriosa história de resistência, Campos ainda não destruiu suas correntes e hoje sucumbe à dominação de um novo senhor: Anthony Garotinho.
Antigo filho do povo e poeta, Garotinho prometeu libertar o povo campista dos desmandos de Zezé Barbosa e dos usineiros que dominavam a cidade. Hoje, no entanto, afastado de suas antigas poesias de liberdade, Garotinho passou a repetir os erros que fingia condenar e tornou-se o pior ditador de toda a história de Campos.
A história não nos deixa mentir: Se antigamente Garotinho atacava os usineiros, hoje ele protege os interesses de uma nova corja de vampiros - os empreiteiros - que roubam as economias da cidade através de obras mal feitas e superfaturadas.
A própria Justiça não nos deixa mentir também. É só lembrar o histórico de escândalos em que ele e sua família se envolveram nos últimos tempos, mas que ele tentou esconder com seu dinheiro, rádios e advogados.
Em agosto de 2010, por exemplo, Garotinho foi condenado pela Justiça federal a dois anos e meio de prisão por lavagem de bens, corrupção passiva e, pasmem: formação de quadrilha armada! Quem não acreditar e quiser conferir, é só ver o processo número 200851018153972, disponível no site da Justiça Federal do Rio de Janeiro (www.jfrj.jus.br). Essa pena, no entanto, foi convertida em prestação de serviços à comunidade. Como se não fosse bastante, Rosinha e Garotinho foram denunciados no começo de agosto pelo Procurador Geral da República pela prática dos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, num processo que nunca terá fim enquanto você permanecer votando nele e sua família. Mas agora você está cansado e nós apostamos nisso. Você tinha medo e confiamos que ele acabou com as manifestações de junho.
A verdade, Povo de Campos, é que eles fizeram questão de perder todas as oportunidades que lhes foram dadas nas urnas. O voto de confiança emprestado ao seu governo - que finge governar para os mais necessitados - foi rasgado.
Incompetentes e corruptos, o povo decidiu agora retirar a família Garotinho do poder e retomar a liberdade que lhe foi roubada.
Deste modo, chamamos você para sair às ruas no dia 7 de setembro e dizer que não está mais satisfeito com Garotinho e seu jeito corrupto de governar. 
Por isso, para que os ventos da verdadeira Independência soprem pelo seio da cidade, venha para as ruas e diga bem alto no dia 7 de setembro: "FORA GAROTINHOS".
Faça-o começar entender que quem manda na política de Campos agora é você, pois assim a Independência em Campos um dia há de chegar...
Campos dos Goytacazes, 19 de agosto de 2013.
Local da manifestação: Av. 28 de Março.
Evento no facebook: "FORA GAROTINHO - 7 DE SETEMBRO".
Assinam o panfleto: MST, CPT, PSOL, PSTU, PCB...

Fonte:

CABRUNCOS LIVRES, Manifesto ” FORA GAROTINHOS”

Porque existe um bairro chamado "Botafogo" no Rio de Janeiro?


 O galeão São João Baptista, mais conhecido pela alcunha de "Botafogo" foi na sua época o mais poderoso navio de guerra do mundo. Construído em 1534, tinha um deslocamento de cerca de 1000 toneladas e estava armado com 366 bocas de fogo de bronze, tendo por isso um tremendo poder de fogo. Por essa razão tornou-se conhecido por "Botafogo".

Este navio foi usado em inúmeras batalhas, tendo ficado famoso durante a conquista de Tunes. Quando Carlos V se lançou na conquista de Tunes, solicitou apoio naval a Portugal, e pediu especificamente o "Botafogo". Nessa batalha, o "Botafogo" era comandado pelo Infante D. Luís, irmão do Rei D. João III de Portugal e cunhado do Imperador Carlos V.

O "Botafogo" liderou o ataque a Tunes e foi o seu esporão que conseguiu quebrar as correntes do porto de La Goleta, que defendiam a entrada, permitindo então à armada cristã a conquista da cidade de Tunes.

Um dos membros da tripulação do galeão, chamado João Pereira de Sousa, um nobre da cidade de Elvas, tornou-se famoso porque era o responsável pela artilharia do navio, pelo que também ele ganhou a alcunha de "Botafogo", que foi incluído no seu apelido, passando também aos seus descendentes. 

Mais tarde, quando João Pereira de Sousa se estabeleceu no Brasil, recebeu da Coroa Portuguesa terras junto da baía de Guanabara, passando essa área a ser conhecida por "Botafogo". 

A chegada da família real portuguesa ao Brasil e à cidade em 1808, mudou totalmente a vida de "Botafogo". De bairro rural, transformou-se no local preferido dos nobres que procuravam o bairro para nele construir suas residências.
 
É por esta razão que existe o bairro de Botafogo na Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro!

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Um centro carioca bem mais limpo


Como sempre faço antes das reuniões, gosto de tomar uma boa média pingada com uma mistura de pão com manteiga na Arcanjo. Prefiro as mesinhas da calçada onde aprecio o movimento da Casa dos Imortais brasileiros na Presidente Wilson e o andar das pessoas. Na verdade, ali posso  pitar em paz o meu cigarrinho. 
Ontem, cumprindo meu ritual, percebi de imediato uma mudança na rotina do pedaço: várias pessoas com resíduos procurando por uma lixeira. A calçada e o asfalto estavam impecáveis. Eu também tive que esperar a cinza da ponta da minha guimba se apagar para arrumar um local apropriado. A vendedora de doces, numa pequenina banca, bem a minha frente, percebendo a minha necessidade, disponibilizou a sua latinha devidamente equipada com sacos de descarte apontando-a para mim com o indicador.
Gostaria que essa atitude fosse bem antes de se fazer leis para punir. Mas que a melhora está a olhos nus, está. Afinal, a cidade é o quintal das nossas casas. Que esta postura, que já era normal para muitos, não posso negar, seja copiada em todas as cidades e mentes brasileiras. Ah, a reunião?... Sete horas diretas...

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

UENF contemplada no Edital Capes Pró-Equipamentos


Hospital Veterinário da UENF
Hospital Veterinário da UENF
A UENF teve sua proposta, no valor de R$ 550 mil, aprovada integralmente no Edital Capes Pró-Equipamentos, que tem por objetivo a melhoria da infraestrutura de pesquisa científica e tecnológica dos Programas de Pós-Graduação das universidades públicas.
A proposta encaminhada pela UENF prevê a aquisição de três equipamentos de pequeno e médio porte, que serão utilizados de forma compartilhada pelos diversos laboratórios da Universidade. Os equipamentos serão instalados no Laboratório de Sanidade Animal-LSA ((VITEK 2 Compact, valor: R$ 200 mil), Laboratório de Engenharia Agrícola-LEAG (Conjunto analisador de fotossíntese e fluorescência LI-6400XTR-2, valor: R$ 261,4 mil); e Laboratório de Zootecnia e Nutrição Animal-LZNA (Ultrafreezer vertical -86ºC, modelo MDF-U76VC-PA, valor: R$ 86,6 mil).
Segundo a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPG), a proposta da UENF tem por objetivo promover a expansão da potencialidade das atividades de pesquisa em desenvolvimento, bem como possibilitar a implantação de novas linhas de atuação. Os equipamentos atenderão a um número bastante expressivo de pesquisadores da UENF e em ações em rede com outras instituições do país e do exterior.
Saiba mais no portal da Capes.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

UENF: Reitor defende autonomia de gestão financeira


A audiência foi realizada no Centro de Convenções da UENF
A audiência foi realizada no Centro de Convenções da UENF
Durante audiência da Comissão de Educação da Alerj na UENF, Edson Correa também defendeu um orçamento mais representativo das reais necessidades da instituição
Ao participar na manhã desta sexta-feira, 23/08, da audiência pública da Comissão de Educação da Alerj no Centro de Convenções Oscar Niemeyer, o reitor em exercício da UENF, Edson Correa, defendeu a necessidade de dotar a instituição de autonomia de gestão financeira como forma de solucionar grande parte de seus problemas. Edson defendeu também a importância de dotar a UENF de um orçamento mais representativo de suas reais necessidades.
— Na prática, o orçamento proposto pelo Conselho Universitário (CONSUNI) para fazer frente às despesas da instituição nunca é totalmente aprovado. Acabamos ficando com cerca de 40% deste valor. E muitas vezes estes recursos ainda são contingenciados, como está ocorrendo agora — disse. Em ofício encaminhado quinta-feira à Comissão de Educação da Alerj, a Reitoria informou que, do orçamento previsto para a UENF em 2013, cerca de R$ 2,3 milhões estão contingenciados pelo Governo do Estado. Edson disse ainda que a liberação deste recurso já foi solicitada à Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag).
Além de Edson Correa, a mesa foi composta pelo deputado estadual e presidente da Comissão de Educação da Alerj, Comte Bittencourt e pelo deputado estadual Marcelo Freixo; além de representantes da Associação dos Docentes da UENF (ADUENF), do Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Públicas Estaduais do Rio de Janeiro (Sintuperj), da Associação dos Técnicos de Nível Superior da UENF (ATNS) e do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UENF.
O principal assunto discutido foi a minuta de projeto de lei que cria o regime de trabalho de tempo parcial para os docentes da UENF, com jornada de trabalho de 20 horas semanais e sem dedicação exclusiva, aprovada no último CONSUNI.
Comte Bittencourt se mostrou compromissado com a defesa da autonomia universitária e afirmou que pretende lutar por uma suplementação orçamentária para suprir as demandas da Universidade.
— Estamos abertos a discutir alternativas que possam fazer frente às necessidades do atual momento — disse.
Em resposta às reivindicações do DCE, Edson Correa informou que a obra do Restaurante Universitário está sendo concluída, após uma série de problemas burocráticos. O grande desafio, agora, é a aquisição do mobiliário, uma vez que não há recursos suficientes para isto.
— Esperamos que este problema seja solucionado e que no início de 2014 possamos inaugurar o Restaurante Universitário — disse.
ASCOM-UENF

Sobre a venda do Estádio do Americano em Campos - RJ.

Prefeitura de Campos e a Fundação Municipal de Esporte se fazem de cegos, surdos e mudos.



Cheiro de merda no ar. Uma área daquela, num bairro onde a verticalização é vertiginosa, aumentando em muito a densidade em todos os seus aspectos, onde não há área verde. 
A prefeitura poderia muito bem ter se manifestado e, já que seria vendido, desapropriar para criar um belo parque municipal. Mas, na verdade, quais interesses estariam acima do bem estar da população? Qual a posição da Fundação Municipal do Esporte??? 

O meu amigo Humberto Rangel acaba de me informar, via face, que 

"a demolição já começou ontem, 22 de agosto do Estádio Godofredo Cruz do Americano em Campos. Um crime contra a cidade e o esporte.
De um Goytacaz revoltado!"

Realmente UM GRANDE CRIME!!!!!!!!!!
e a sociedade fica quieta. Vai virar mais um Teatro Trianon, que apenas existe nas nossas memórias. Como já escrevi um dia, jamais o Teatro Municipal que leva o nome do véio Trianon, nunca o substituirá.

Como ficou a obra, prefeita de Campos - RJ?

DUENDES: EU ACREDITO


Esta foi a manchete do R7, em Campos  EM 15/04/2011.

"Novo traçado da BR 101 vai tirar
rodovia da área urbana de Campos

Prefeitura vai reformar trecho que não mais fará parte da rodovia"
"A prefeita de Campos, Rosinha Garotinho, disse que a reforma e duplicação de parte do trecho que vai ser municipalizado, independe desse levantamento.
- O primeiro trecho, que foi o que eu solicitei, entre Ururaí e a avenida Alberto Torres [no parque Leopoldina] já está com o projeto pronto e vamos dar entrada no processo de licitação. As obras devem começar em 100 dias."
Estes anúncios foram feitos pela prefeita de Campos em 14 de abril de 2011 e noticiados em diversos veículos de comunicação, inclusive de abrangência nacional, como se pode conferir aqui
Hoje, dia 23 de agosto, faz tempo, e muito tempo, da promessa e nada foi feito. O que se pode ver entre Ururaí e o trevo da Avenida Nilo Peçanha é um canteiro de obras com a construção de casas populares numa 'taiada' de canavial. Um exemplo puro do que se pode imaginar de segregação.
E as obras... nada!!!

Na verdade, ficamos todos cobrando da concessionária da BR 101 pelas centenas de vidas que se foram em meio a outras centenas de acidentes pelas obras na rodovia. Mais que justo. Porém, ao se transitar pela estrada, os vários canteiros de obras nos dão conta de que a Auto-Pista está trabalhando conforme o cronograma.
Diversas autoridades da prefeitura de Campos dos Goitacá ocupam espaços na imprensa para atacar esta mesma empresa, sem portanto se lembrarem de pôr em execução projetos prometidos publicamente pela chefe de direito do município. Não há a menor dúvida acerca das melhorias deste caótico trânsito da rodovia, se estas obras já tivessem sido concluídas. Mas foram mais promessas, nada mais.

UENF mantém posição estável em ranking internacional

fachada uenf 013

A UENF mantém posição estável no ranking do SIR World Report, que avalia a quantidade de publicações científicas das universidades de todo o mundo. Segundo a avaliação, divulgada pela Scimago Lab, a UENF ocupa o 61º lugar entre as instituições latinoamericanas e o 114º lugar entre as instituições iberoamericanas. Na avaliação divulgada em 2012, a UENF ocupava o 62º lugar na América Latina e o 116º nos países iberoamericanos.
O SIR World Report 2013 avaliou cinco anos de produção científica das instituições de ensino superior de todo o mundo que publicaram, em 2011, pelo menos cem trabalhos científicos indexados na base de dados Scopus. Produzida pela editora holandesa Elsevier, a Scopus é considerada uma das maiores bases de dados científicos do mundo, englobando mais de 20 mil periódicos especializados.
Três instituições paulistas – Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade Estadual Paulista (Unesp) – lideram o ranking das universidades brasileiras que mais publicaram artigos científicos entre os anos de 2007 e 2011. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) ocupa o 4º lugar entre as universidades brasileiras. Já a UENF ocupa a 33ª posição.
SIR World Report 2013 avaliou cinco anos de produção científica das instituições de ensino superior de todo o mundo que publicaram, em 2011, pelo menos cem trabalhos científicos indexados na base de dados Scopus. Produzida pela editora holandesa Elsevier, a Scopus é considerada uma das maiores bases de dados científicos do mundo, englobando mais de 20 mil periódicos especializados.
Consulte aqui o ranking.
Leia matéria sobre o assunto na Revista da Fapesp.
ascom-uenf

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Para encher o Cepop?

Quem responde?

Por que na Semana do Folclore a contratação de Neguinho da Beija-Flor e de Alcione?
Vale lembrar que os nossos grupos folclóricos andam de pires na mão.

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

Deputado/prefeito mente e blog "Estou Procurando..." registra:




sexta-feira, 16 de agosto de 2013


MENTIRA TEM PERNAS CURTAS GAROTINHO

BLOG DO GAROTINHO(16-08):

A boa iniciativa da deputada Clarissa Garotinho de reduzir a alíquota do IPVA, de 4% para 2%, apresentada esta semana foi fruto do que ela ouviu de mim nas convenções que realizei na semana passada no noroeste fluminense. Cheguei a citar exemplo dos milhares de carros de moradores do Rio de Janeiro emplacados em cidades fronteiriças do Espírito Santo como Guarapari, Bom Jesus do Norte, Guaçuí, entre outras. Percebi em alguns leitores nos seus comentários, que acham que foi em meu governo que a alíquota subiu de 2% para 4% no estado. Não é verdade. Isto ocorreu no governo anterior ao meu, de Marcello Alencar. 


MENTIRA TEM PERNAS CURTAS GAROTINHO:

Como o IPVA do Rio ficou tão caro

A recente polêmica sobre a evasão fiscal do IPVA praticada pela grande maioria dos campistas e residentes em municípios desta região, próxima a divisa com o Espírito Santo, ao emplacar os seus veículos no estado vizinho, reacendeu o debate sobre as alíquotas cobradas por este imposto no estado do Rio.
O IPVA foi instituído em 1985, pelo governador Leonel Brizola (veja aqui a lei), com alíquota de 5% para carros importados, 3% para carros de passeio e utilitários, de 2% para veículos a álcool e de 1% para motos. Estas alíquotas são aplicadas na tabela de veículos da Secretaria de Fazenda, que tem valores reajustados anualmente, de acordo com os preços de mercado.
Em 1997, no governo Marcelo Alencar, foi retirada a diferenciação que cobrava uma alíquota maior para os veículos importados (aqui), já que com o desenvolvimento do mercado automobilístico brasileiro o importado não era mais um artigo de luxo.
A segunda grande mudança ocorreu em 29 de dezembro de 1999, no final do 1º ano do governo de Anthony Garotinho, 14 anos depois de instituído o imposto. O IPVA foi elevado para sua maior alíquota: 4% para carros de passeio e caminhonetes, 3% para utilitários, 2% para veículos a álcool, motos e ônibus e 1% para veículos a gás.
Leia aqui a lei na íntegra e veja abaixo um trecho dela:
Garotinho, assim, aumentou o imposto e a arrecadação. Caminhonetes  e carros de passeio aumentaram a alíquota de 3% para 4%, ônibus e motos de 1% para 2%. O único ponto pró-contribuinte foi o estímulo dado para veículos a gás, com a baixa alíquota de 1%.
Grande parte da base de contribuintes foi atingida com o aumento, cobrado a partir do ano de 2000. Os proprietários de veículos passaram a buscar soluções para estar com o imposto em dia. As alíquotas de 2% do estado vizinho do Espírito Santo, que baixavam o imposto à metade, passaram a ser atrativas.
Lentamente foi acontecendo em Campos, Itaperuna, Bom Jesus e vários outros municípios próximos à divisa uma grande migração de veículos do estado do Rio para o Espírito Santo, chegando ao estágio atual.

UENF celebra duas décadas nesta sexta

Centro Noite 20070909 24  foto - Paulo Damasceno
O ponto máximo das comemorações pelos 20 anos da UENF ocorre nesta sexta-feira, 16/08, quando será realizada a Sessão Solene do Conselho Universitário (CONSUNI) em alusão ao aniversário da UENF. Na ocasião, o professor Helion Vargas, do Laboratório de Ciências Físicas (LCFIS) da UENF, receberá a Medalha Darcy Ribeiro — a mais alta honraria concedida pela instituição. Também serão homenageados servidores, ex-reitores e o ex-deputado estadual Fernando Leite Fernandes, autor do projeto de lei que incluiu a criação da UENF na Constituição Estadual de 1989.

As atividades começam às 14h, no Centro de Convenções. Antes da Sessão Solene do CONSUNI, será descerrada a placa que dá o nome do arquiteto Oscar Niemeyer ao Centro de Convenções da UENF.  Em seguida, haverá a inauguração das estátuas de bronze em homenagem a Leonel Brizola, Darcy Ribeiro e Oscar Niemeyer — trio cujo papel foi crucial na implantação da Universidade. As estátuas foram esculpidas pelo artista plástico Hildebrando Lima, formado pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
— Em nome da comunidade universitária, quero agradecer a quem sonhou com a Universidade, a quem acreditou no sonho, a quem trabalhou para que se tornasse realidade e a quem abriu mão de interesses pessoais ou partidários legítimos para que o projeto UENF se concretizasse. Sem o empenho da população de Campos no movimento pró-UENF, não estaríamos comemorando esta data tão especial — disse o reitor da UENF, Silvério de Paiva Freitas.
Durante a Sessão Solene, serão homenageados todos os ex-reitores da UENF: Wanderley de Souza, Eugênio Lerner, Pedro Carajilescov, Adilson Gonçalves, Salassier Bernardo, Raimundo Braz Filho e Almy Junior.Também serão homenageados os professores da UENF Eulógio Carlos Queiroz de Carvalho (CCTA), José Ramon Arica Chavez (CCT), Arlete Parrilha Sendra (CCH) e Carlos Eduardo de Rezende (CBB), além dos técnicos José Accacio da Silva, Verlaine de Oliveira Pereira, Luiz Alberto da Graça,  Aline Cerqueira Barbosa Vitoi Fonseca, Carlos André Pereira Baptista e Fernando César Lopes. A homenagem se estende aos ex-alunos Erik da Silva Oliveira (representando a pós-graduação) e Dáfine Aparecida (representando a graduação), bem como à assistente social Maria Helena Ribeiro de Barros Barbosa (autora do mais antigo projeto de extensão ainda em funcionamento).
Às 9h, a Câmara Municipal de Campos realiza uma Sessão Solene em homenagem à Universidade. Proposta pela vereadora Maria Auxiliadora Freitas de Souza, a sessão vai homenagear personalidades que contribuíram para a criação e o desenvolvimento da UENF, como reitores, governadores e pessoas ligadas ao movimento pró-UENF. Veja aqui entrevista com a vereadora Maria Auxiliadora sobre a iniciativa de homenagear a UENF em seus 20 anos.
Saiba mais sobre os 20 anos da UENF nas reportagens publicadas na Revista Nossa UENF especial de aniversário:

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Insanidade: UENF limita acesso ao P5.


Não sei qual o cabeça dura da prefeitura do campus da UENF se sentiu no direito de fechar a pista que leva da rolagem principal à portaria do P5. É claro que aumenta o transtorno quando se tem que estacionar na via principal para descer alguém ou descarregar algo. Em dias de sol forte ou de chuva o transtorno se agrava. Uma medida completamente unilateral que deve atender a alguma vaidade especifica, já que todos os demais acessos estão mantidos.
O inteligente deveria estar com inveja do trânsito de cidade de Campos quando impôs aqueles antipáticos cones. Comemorando os seus 20 anos, já era tempo de se perceber que a UENF é um bem comum a todos, onde não deveria prevalecer vontades pequenas e individuais. 
Fala prefeitura!!!

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Plenária Verde Carioca


 
Plenária Verde Carioca

Aos filiados ao Partido Verde no município do Rio de Janeiro:

Em continuidade ao projeto de organização do PV RIO, o Presidente da Comissão Executiva Municipal do Partido Verde do Rio de Janeiro  José Augusto Silveira , tem o prazer de convidá-l@  para a próxima  Reunião Plenária , a realizar-se no próximo dia 15 de agosto, quinta-feira, às 19horas, na sede do PV/Rio, Av. Pres. Wilson, 228/4° andar, no Centro.

Pauta:
1.        Os Verdes e as manifestações
2.        Organização do PV Rio/ núcleos e coordenadorias
3.        Bancada Verde Carioca
Quando: 15/08/2013 (quinta-feira)
Onde: Partido Verde Rio, Av. Pres. Wilson, 228/4º andar - Centro
Horário: 19 h
 Flávio Lazaro
Sec. Organização/Mobilização PV/Rio
Leia as noticias e anote na agenda
Curta e compartilhe:
Facebook.com - Partido-Verde-RJ-Oficial - http://goo.gl/TFpMp
Partido Verde – RJ
Avenida Presidente Wilson, 228/4 andar - Centro - Rio.

Cultura de Campos - RJ numa previsão de Sérgio Ricardo, já em1973

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Aberta a programação dos 20 anos da UENF


O hasteamento da bandeira ocorreu na entrada do campus
O hasteamento da bandeira ocorreu na entrada do campus
Com a participação da Banda da Polícia Militar, foi realizada na manhã desta segunda-feira, 12/08, a cerimônia de Hasteamento da Bandeira, dando início às atividades comemorativas dos 20 anos da UENF. A cerimônia, realizada na entrada do campus universitário, contou com a presença do reitor da UENF, Silvério de Paiva Freitas; do vice-reitor, Edson Correa da Silva; e do diretor geral administrativo, Antônio Constantino de Campos, além de outras autoridades.
Ainda nesta segunda-feira, às 18h, na quadra da Reitoria, haverá a abertura do Torneio de Futebol de Salão, com a participação de quatro equipes formadas por servidores da UENF. E às 19h, haverá a abertura da Exposição “UENF, uma memória nos seus 20 anos”, no Centro de Convenções da UENF.
Nesta terça, 13/08, a programação começa com a inauguração do Espaço Agroecológico Cícero Guedes, na área do prédio P5 onde funciona habitualmente a Feirinha Agroecológica – da qual o assentado participava ativamente. Assassinado em 26/01/13, Cícero era parceiro de vários projetos de pesquisa e extensão da UENF.  Às 17h, no Auditório 4 do Centro de Convenções, ocorrerá o lançamento do livro “Uma Casa, muitas vozes: histórias dos primeiros 20 anos da Uenf”, elaborado pelos jornalistas Gustavo Smiderle e Fúlvia D’Alessandri. Em seguida haverá coquetel e a Noite Cultural, com apresentações de dança, coral, show de humor e exposições, no Anfiteatro do Centro de Convenções.
estatuas montagem 3-web
O escultor Hildebrando Lima, ao lado das estátuas
Esculturas – Foram montadas na última sexta-feira, 09/08, no Centro de Convenções da UENF, as estátuas de bronze de Leonel Brizola, Oscar Niemeyer e Darcy Ribeiro, que deverão ser inauguradas na próxima sexta-feira, 16/08 — dia em que a Universidade estará completando 20 anos de existência.
Em tamanho natural, as estátuas foram esculpidas pelo artista plástico Hildebrando José de Souza Lima, formado pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).  A inauguração das estátuas deverá ocorrer às 14h de sexta-feira, antes da Sessão Solene do Conselho Universitário da UENF alusivo aos 20 anos.
As estátuas eternizarão a imagem dos três fundadores da UENF logo na entrada do Centro de Convenções, que a partir de sexta também ganhará o nome do autor do projeto arquitetônico do campus da UENF, Oscar Niemeyer.
Veja aqui a programação completa dos 20 anos da UENF.
ASCOM-UENF