quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Fórum discute desastres na Região Serrana com participação da UENF

A UENF é uma das instituições promotoras do Fórum de Debates "Desastres na
Região Serrana", que será realizado quarta e quinta-feira, 16 e 17/02, das 18h às 22h,
na Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do Rio de Janeiro (Rua do
Russel, nº 01, Glória, Rio de Janeiro). O objetivo é buscar soluções conjuntas para os
desastres ambientais, envolvendo sociedade civil, entidades representativas e
autoridades governamentais, com vistas a viabilizar e materializar as soluções
técnicas apresentadas.
Na abertura, marcada para as 18h do dia 16, o tema "Visão governamental frente aos
desastres da Região Serrana" será debatido pelos presidentes do Crea-RJ (Conselho
Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia), Senge-RJ (Sindicato dos
Engenheiros do Estado do RJ) e Seaerj (Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do
Estado do RJ), além de representantes dos Ministérios das Cidades; Integração
Nacional; e Ciência e Tecnologia, bem como representantes do Governo estadual.
O professor Valdo Marques, chefe do Laboratório de Meteorologia da UENF (LAMET),
ministra palestra na quinta-feira, 17/02, ás 18h, sobre o tema "Aspectos
meteorológicos". Veja aqui a programação completa.
Além da UENF, o evento tem a organização conjunta do Senge-RJ, Clube de
Engenharia do Rio de Janeiro, REA-RJ, Seaerj, Universidade Federal Rural do Estado
do Rio de Janeiro (UFRRJ), Coppe/RJ, UENF, Universidade Estadual do Rio de
Janeiro (Uerj), PUC-Rio, além de representantes da Sociedade Brasileira de
Meteorologia (SBMET), Associação Brasileira de Mecânica de Solos e Engenharia
Geotécnica (ABMS) e Associação Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental
(ABGE).
ASCOM/UENF

Um comentário:

Reflexões disse...

CONCLAMO A POPULAÇÃO EM GERAL E AOS BLOGUEIROS A USAR DA AÇÃO POPULAR CONTRA ATOS DA ADMINISTRAÇÃO PUBLICADOS EM DO NO DIA 15/02/2011. MAIORES INFORMAÇÕES NO BLOG REFLEXÕES http://pensamentossubjetivos.blogspot.com/2011/02/contra-os-cem-milhoes-existe-acao.html
Att.