segunda-feira, 5 de abril de 2010

Que cidade...

É óbvio, evidente que o executivo municipal se lixa para os munícipes. Põe acima de tudo interesses outros na administração, diferentemente das necessidades básicas da população.
A cada momento temos notícias de verdadeiro flagelo nas diversas e principais pastas da Prefeitura. É repugnante saber que os dirigentes do Sepe tiveram que provocar o Ministério Público Estadual acerca dos mais de 100 alunos que precisam migrar para Quissamã por falta de escola.
É incompreensível como não se honra alugueres com pessoas que dependem desta renda para viver. É repugnante saber das mazelas da saúde.
É nojento trafegar em ruas como a Dr. Mattos, que mais parece uma pista de motocross com imensas crateras.
Ver a situação precária do nosso transporte urbano, tanto na frota quanto na organização inexistente. Tudo pela simples falta de rigor por parte da concedente. Pior ainda foi a greve dos rodoviários, já que a Prefeitura repassa uma verba mirabolante para honrar a pieguice do famigerado 1 real. E ficaria todo o dia aqui escrevendo...
A prática de se manter o centro e áreas nobres um brinco deve ter sido adquirida no Governo do Estado. Pois basta se afastar desses locais para se cair na real. Por que só nivelar tampas de bueiros que ficam nas pistas de rolagem nessas áreas? Vários pontos de alagamento existem há décadas e nada é feito, mas recortar asfalto junto ao meio-fio e preencher com concreto, claro que no centro, é bom, basta saber pra quem. Isto só deveria ser feito quando todos os nossos problemas básicos estivessem resolvidos. Aí sim: fazer colher de pau e bordar o cabo!

É claro que não aceito argumentos de megaobras em distritos e bairros aqui, acolá. Todos têm a mesma importância e é clara a necessidade dessas megas operações.
Milhões com o canal Campos-Macaé... é claro. "Eles reclamam e a gente aproveita e satisfaz a grita. Mas da nossa forma. Nada de intervenções simples e práticas! Sofistiquem, pois assim..." Dizem ser esta a ordem dum "mestre".



Ora, ora a despudorização está na cara, ou no sentimento do mais leigo. Parem com a hipocrisia da luta pelos royalties - que defendo pela questão lógica de direito constitucional - enquanto não explicarem pra onde foram e pra onde estão indo.



Campos era pra ser referência em todas as áreas. No entanto, não se digna a ter um só parque sequer. Mas na verdade vivemos num grande circo, onde se pensa que ninguém pensa. Que ninguém vê.



Espero piamente que os que têm o dever deste olhar mais profundo e cortante se apresentem e deixe de pairar no ar a idéia de que todos são coniventes com tudo. O que não creio ser.

2 comentários:

DIGNIDADE disse...

Parabéns pelo texto.
Até quando Campos será rica só na conta bancária?
Abraços.

Herval Junior disse...

Boaaa,Joca!
Anda faltando vergonha há muito nessa cidade.
Até dinheiro falta aqui para fazer o mínimo.